Todas nós sabemos que definir o amor é algo quase impossível e um tanto quanto complexo! O amor é uma experiência singular, única e inexplicável. “Ser capaz de dizer o quanto se ama, é amar pouco.”

Este sentimento é experimentado de diversas formas. Se eu fosse definir baseado no meu estado atual, definiria em apenas uma palavra: solidez. Mas para muitos, solidez não é a palavra mais adequada, aliás, pode ser a mais distante!

 PSICOLOGIA

Se perguntássemos a uma criança o que significa o amor, a resposta seria outra. Se fizéssemos a mesma pergunta a uma mulher em processo de separação, teríamos certamente uma outra resposta. E por aí vai… No dicionário Aurélio encontramos o seguinte significado:

s.m. Afeição viva por alguém ou por alguma coisa: o amor a Deus, ao próximo, à pátria, à liberdade. / Sentimento apaixonado por pessoa do outro sexo: as mulheres inspiram amor. / Inclinação ditada pelas leis da natureza: amor materno, filial. / Paixão, gosto vivo por alguma coisa: amor das artes. / Pessoa amada: coragem, meu amor! / Zelo, dedicação: trabalhar com amor. // Amor platônico, amor isento de desejo sexual. // Por amor de, por causa de. // Pelo amor de Deus, expressão que dá ênfase a um pedido: não faça isso, pelo amor de Deus!

POSTS RELACIONADOS:

Na Psicologia, o amor é definido como sendo, não simplesmente o gostar em maior quantidade, mas sim um estado psicológico qualitativamente diferente. Isto porque, “ao contrário do gostar, o amor inclui elementos de paixão, proximidade, fascinação, exclusividade, desejo sexual e uma preocupação intensa.”

Numa tentativa de simplificar a definição de Amor, os psicólogos sociais recorreram à definição de seis diferentes formas de amar. São elas:

1) o amor romântico: envolve paixão, unidade e atração sexual. É mais usual na adolescência;

2) o amor possessivo: determinado pelo ciúme, provocando emoções extremas;

3) o amor cooperativo: que nasce geralmente de uma amizade anterior, sendo alimentado por hábitos e interesses comuns;

4) o amor pragmático: característico de pessoas ensinadas a reprimirem os seus sentimentos ao máximo, sendo estas relações desprovidas de quaisquer manifestações de carinho;

5) o amor lúdico: que se baseia na conquista e na procura de emoções passageiras;

6) o amor altruísta: praticado por pessoas dispostas a se anularem perante o outro, tendendo a “se isolarem num mundo onde, na sua imaginação, só cabem os dois, ainda que o outro pense e atue exatamente ao contrário”.

Psicologismos à parte, geralmente, tomamos como base as nossas vivências anteriores. Mas podemos tirar boas lições e reflexões de relacionamentos fracassados e mal sucedidos. Uma nova chance sempre está por vir! Que tal dar uma nova chance ao amor.. ou … Que tal reinventar um novo amor antigo?

“Cuide bem do seu amor
Seja quem for”

2 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here