A resenha de hoje é sobre uma balzaca de 33 anos que desiste do amor após descobrir a traição do noivo (com o técnico da máquina de lavar), mas que logo se vê atraída pelo sexy e irritante jornalista Sebastian, o filho do jardineiro de sua mãe que era a sua paixão de infância.

Sem Clima para o Amor
Sem Clima para o Amor

Clare Wingate foi criada para reprimir seus impulsos e emoções. Bonita e independente, essa escritora de romances se veste sempre de forma adequada, é educada e se demonstra feliz com um relacionamento morno, quase frio, com o noivo. Até que ela descobre que ele na verdade é um gay não assumido. O mundo de Clare desmorona justamente no dia do casamento de uma das suas melhores amigas, a também escritora Lucy. E apesar de toda a sua criação e educação, Clare enfia o pé na jaca e acaba acordando seminua em um quarto de hotel com Sebastian Vaughan, o filho do jardineiro de sua mãe a quem não via há vinte anos, sem saber como foi parar lá. Ele a provoca sobre a “noite” que passaram juntos, aproveitando-se do fato de ela não se lembrar de nada, e a deixa furiosa e ainda mais constrangida. Clare parte de lá desejando não ter de vê-lo outra vez, mas logo descobre que ele ficará alguns dias na cidade visitando o pai.

Sebastian tem o dom de tirar Clare do sério e arrancar dela toda a compostura, assim como seus reais pensamentos e sentimentos. No fundo, ele só quer que ela seja ela mesma, quer despenteá-la e arrancar seu sorriso contido do rosto. Mais que isso, ele a deseja em sua cama, ainda que não queira se render a esse sentimento, compartilhado por ela. Todas as vezes que eles se encontram, acabam brigando, ao mesmo tempo em que essa atração fica cada vez mais intensa. Com ele, Clare aprende aos poucos a se libertar das regras a que se impõe. Ela acaba se rendendo a essa paixão sem compromisso desejando apenas passar o tempo e curar seu coração ferido. Mas quando eles estão juntos tudo parece tão certo que só podemos torcer para que esse relacionamento evolua para algo mais profundo e verdadeiro.

O livro é muito divertido. A história é leve e evolui perfeitamente enquanto torcemos pelo casal. As cenas de brigas são hilárias (também gosto de ver a Clare ser quem é de verdade) e as cenas picantes são bem intensas. Clare representa a mulher adulta e independente que passa por uma fase de autoconhecimento após um trauma. Ela descobre que seguia sempre o mesmo padrão de relacionamentos fadados ao fracasso e deseja mudar. Já Sebastian representa o típico solteiro convicto com uma carreira de sucesso, que já viajou o mundo e ama a liberdade que lhe permite fazer o que tiver vontade. Mas tudo indica que a vida que leva já não o satisfaz como antigamente. Ao se envolver com Clare, fica claro que lá no fundo ele quer mais do que sexo sem compromisso.

Resta saber se os dois irão seguir seus corações ou se estragarão a chance de viverem um lindo romance por medo.

“De repente, seu rosto se aqueceu e seu coração palpitava de forma frenética, batendo contra a muralha que erguera para afastar Sebastian. A muralha por trás da qual se ocultara para não se apaixonar louca e completamente por um homem absolutamente errado para ela”.

(Sem clima para o amor – Rachel Gibson)

2 COMENTÁRIOS

    • É verdade Reila! E hoje em dia, ser você, a despeito do que os outros vão pensar… é uma questão de Grito de Liberdade… já pensou nisso? Obrigada por participar do blog! Um beijo!

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here