Há poucos dias fiz um post sobre a necessidade que tenho de mudar minha rotina de vida, sob o título “Preciso desintoxicar minha vida, e você?”. Contei as razões que me levaram a chegar a essa conclusão, mas não contei o sofrido processo até chegar ao diagnóstico da enxaqueca com aura. Hoje, quando a crise de enxaqueca começou, tive o ímpeto de recomeçar o longo martírio até o diagnóstico, apenas para ter certeza de que estava no caminho correto do tratamento. MENINAS: MUITA ATENÇÃO — pesquisar problemas de saúde no google pode ajudar em alguns casos mas, na maioria deles, acaba piorando nosso estado e trazendo sofrimento desnecessário a quem se submete a isso.
Para começar, quando eu estava grávida e tudo transcorria maravilhosamente bem, entrei numa comunidade de grávidas (eu já entrava no 8º mês de gestação) e elas começaram a relatar problemas do final da gestação (tipo parto prematuro, eclâmpsia, pressão alta (minha pressão sempre foi 10X7 a gestação inteira). Fiquei tão paranóica com o negócio, crianças na UTI, mães tendo hemorragias por conta da eclâmpsia… que minha pressão subiu vertiginosamente. Fiquei na comunidade acompanhando os relatos durante 01 semana e no sábado a noite minha pressão subiu de uma forma tão brusca, indo de 12X8 para 16X10, e minha bolsa rompeu imediatamente. Elisa estava apenas com 34 semanas e pesava 2,5 Kg, precisando ficar internada 4 dias na UTI. Graças a Deus não precisou de respirador artificial, não fez hipoglicemia. Ficou apenas para observação. Esse foi o primeiro estrago que eu permiti que informações desnecessárias extraídas do Dr. Google fizessem parte da minha vida, principalmente num momento inadequado. O que era importante que eu soubesse, meu médico já tinha me instruído. Mas minha avidez por informações atrapalhou um dos momentos mais importantes da minha vida.
Em decorrência desse parto prematuro, minha filha na UTI, risco de eclâmpsia (rs… ), pressão que não baixava (os relatos não saíam da minha cabeça), todos esses fatores associados às oscilações hormonais naturais que ocorrem após o parto culminaram numa depressão 15 dias pós-parto (a cereja do bolo!). O médico entrou com uma medicação simples que regulou meu estado emocional totalmente desequilibrado, pois eu simplesmente acordava no meio da noite achando que ia morrer, ou que minha filha tinha morrido. Alguns meses se passaram, entrei na dieta para me livrar dos 25 kg que habitavam meu corpo indevidamente, inclusive fiz um post sobre esse processo “Whey Protein: o suplemento que me ajudou a secar 25 kg”.
Elisa com 02 dias
Com o passar do tempo acreditei que as coisas estavam voltando ao normal. Sentia dores de cabeça no final do dia, mas sempre cediam com uso de paracetamol ou novalgina. Só que após o parto, ela mudou de figura. Era apenas de um lado do rosto, começando no fundo do olho direito, irradiando para o lado superior da cabeça e depois descia até o pescoço. Como a dor iniciava no olho direito, resolvi procurar um oftalmo, mas antes…. resolvi dar uma olhadinha no Dr. Google! Claro! Por que não? Resposta mais oferecida: GLAUCOMA! Deus do céu… Será que vou ficar cega? Após três dias de muito stress, revendo todas as fotos para aproveitar minha visão maravilhosa, fui ao oftalmo. Ele fez inúmero exames e me explicou que o que eu tive foi uma enxaqueca oftálmica. Prescreveu-me um tratamento e fui embora feliz da vida, sabendo que não ficaria cega! 
No final do ano percebi umas manchinhas roxas nas pernas, poucas… não doíam, e quando eu apertava elas sumiam. Eram do tamanho de uma cabeça de cigarro. Adivinhem o que fiz?  Dr. Google! Resposta: pode ser LEUCEMIA! Meu Deus… será que estou com câncer? E agora? Preciso fazer um exame! Contagem de plaquetas, sei lá o que mais o Dr. Google dizia pra fazer…  Fiz os exames, hemograma completo, exames de coagulação, plaquetas, não sei mais o quê… tudo normal. Bom, Graças a Deus Leucemia não é!
Quando resolvi pela Graça de Deus procurar um Neurologista, ele me explicou, após vários exames, que eu estava com enxaqueca com aura e que as manchas nas pernas eram um dos sintomas que prenunciavam minhas crises (púrpura da melancolia ou púrpura do stress, assim os livros de hematologia tratam do assunto, sem explicar muito bem suas causas. O fato é que essas manchas vêm e vão conforme as crises se prenunciam). Hoje amanheci com umas dessas petéquias, tomei a medicação para evitar a enxaqueca e… voilà! Estou boazinha e sem as dores terríveis e incapacitantes!

O que eu quero dizer com tudo isso é o seguinte: pesquisem sobre beleza, viagens, livros, namoro… mas evitem pesquisar sobre coisas que envolvam diagnósticos, saúde. Para isso existem os médicos. O google tem grande valia, é claro. Caso contrário não seria a potência que é. Mas muitas pessoas acabam sofrendo por antecedência, se automedicando indevidamente, substituindo o profissional habilitado para tratá-lo por um artigo que se desconhece a procedência. E mesmo que se conheça: é de caráter meramente informativo, não para a pessoa se auto-diagnosticar (como eu estava fazendo). E cada caso é um caso! Ok? Se liga menina! Trintar é com inteligência!
Esse final de semana estou indo para Nova York para trabalhar e também aproveitar para garimpar algumas novidades de beleza para o blog! Você tem algum pedido especial? Alguma loja que você gostaria de conhecer pra gente fazer post lá?

Bjs!

2 COMENTÁRIOS

  1. Eu discordo totalmente. Acho maravilhoso que tenhamos toda informação possível disponível a um wi-fi de distância. Se eu não sei lidar com uma informação, eu preciso APRENDER A LIDAR COM ELA, não parar de buscar informação, oras!

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here